Slider

Postagem em destaque

Idosos do SCFV visitam Retiro São João Batista

A programação de setembro para os idosos, promovida pela Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos de São João da Barra, por meio...

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Coreia do Norte dispara novo míssil, que sobrevoa Japão

Coreia do Norte disparou um míssil de médio alcance nesta quinta-feira (início da sexta-feira no horário local), de uma base próximo à sua capital, Pyongyang. O projétil foi lançado em direção ao leste, sobrevoando o Japão, segundo o Exército da Coréia do Sul. Militares sul-coreanos e dos EUA estão analisando detalhes do lançamento, o 15º do tipo este ano e o primeiro após o teste nuclear no início deste mês. O teste acontece dias após a ONU impôr novas e duras sanções ao país.

O Japão emitiu um alerta à população através de telefones celulares e da televisão, avisando sobre o lançamento da Coreia do Norte e pedindo que se abrigassem. Segundo a Coreia do Sul, o projétil foi disparado de Sunan, onde fica o aeroporto internacional norte-coreano e mesmo local do dispara o Hwasong-12, míssil de alcance intermediário que também sobrevoou o Japão na ocasião.

O novo projétil cruzou o espaço aéreo japonês sobrevoando a ilha de Hokkaido, às 7h06m de sexta-feira no horário local. Segundo fontes militares sul-coreanas, ele teria voado por cerca de 3.700 quilômetros, a 770 quilômetros de altitude. O Conselho de Segurança da ONU fará uma reunião de emergência na sexta-feira sobre o último teste de míssil norte-coreano, a pedido dos Estados Unidos e do Japão.

O presidente sul-coreano, Moon Jae-in, convocou uma reunião do conselho de segurança para discutir o novo lançamento, enquanto o governo japonês condenou o lançamento. O míssil caiu no mar a cerca de 2 mil quilômetros a leste do Japão, um dia após Pyongyang ameaçar "afundar o país". No fim de agosto, um outro lançamento também sobrevoou o arquipélago e caiu no mar.
Coreia do Norte realizou seu sexto e mais poderoso teste nuclear, levando o Conselho de Segurança da ONU a intensificar as sanções, após o pais fazer uma série de testes de mísseis, incluindo um que passou sobre o Japão. Já no dia 28 de julho, o regime norte-coreano testou um míssil balístico intercontinental que atingiu uma altitude de 3.700 quiilômetros, e que especialistas disseram ter o potencial de atingir a Costa Oeste dos Estados Unidos.


Nesta quinta-feira, uma agência estadual do país ameaçou usar armas nucleares para afundar o Japão e reduzir os Estados Unidos em cinzas e escuridão, por apoiarem a resolução das Nações Unidas.

"O exército e o povo da Coreia do Norte pedem unanimemente que os ianques, os principais culpados que prepararam a 'resolução de sanções', sejam linchados como merecem os cães raivosos", afirma um comunicado publicado pela agência oficial KCNA."É hora de acabar com os agressores imperialistas americanos. Condenemos o continente americano a cinzas e escuridão".

O órgão norte-coreano ainda acusou Tóquio de estar sob as ordens dos Estados Unidos e recordou o lançamento de um míssil que sobrevoou o Japão no mês passado:

"As quatro ilhas do arquipélago devem ser afundadas no mar pela bomba nuclear do Juche", indica a organização, em referência à ideologia governista da Coreia do Norte que mistura marxismo com uma forma de nacionalismo isolado pregado pelo fundador do Estado, Kim Il Sung, avô do atual líder norte-coreano, Kim Jong Un.
O Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou na segunda-feira por unanimidade uma nova resolução contra o regime de Pyongyang, após seu sexto teste nuclear. O texto impõe um embargo às exportações de gás para a Coreia do Norte, um limite para as vendas ao regime de petróleo e produtos refinados, assim como a proibição de importação de têxteis norte-coreanos.

Fonte: O Globo




0 comentários: